Crônicas

A calmaria que o teu amor me traz

Eu adoro a calmaria que o teu amor me traz.

É isso. É como andar na beira da praia de mãos dadas como eu sempre esperei. Caetano também. Essa música é tão linda não é? É que o teu amor vem com uma trilha sonora repleta de músicas bonitas. Será que sou capaz de encaixar todas elas aqui?

É que o teu amor tem sabor de fruta mordida. Tem aquelas músicas de animes chatas, infantis, com letras bonitinhas que eu julgo tão chatas e “femininas”. É que o teu amor desenha um pouco na gente O Teatro mágico. Uma peça de teatro, uma porção de poesia, um suspiro de amor. O teu amor me traz a oportunidade de te mostrar Olha só do Toni Ferreira, e a gente sempre aperta o passo, dobramos esquinas, esquecemos todos aqueles que nos fizeram tão mal. O seu amor gosta de me ouvir falar sobre Filipe Catto. E o admira comigo. É que aquele homem divide o meu amor por Elis. Ele sorri e quebra o pescoço para trás como ela. Ele parece que veste a música que canta com a pimentinha. O teu amor me admira no silêncio de olhar ele cantar. Obrigada meu bem pelo teu suor, pelos teus gemidos, e espero que a minha estupidez cicatrize os sentimentos feridos. O teu amor respeita a minha individualidade de nascer e morrer assim só.



O teu amor é junção mágica que o universo permitiu do lindo Lenine com 5 a Seco e Maria Gadu. Enquanto o ocidente caí, ficam para nós questões vitais, e no seu corpo eu sou chuva, jeito bom de se encontrar. É que pro bom da vida acontecer a onda que invade é o teu amor.
O teu amor é a certeza de uma nova descoberta, de um encaixe perfeito de alguma coisa bonita que a gente ainda irá descobrir. O teu amor é essa certeza que embora nada seja eterno, existem momentos que queremos que sejam eternos.

 

Natália Rezende

Um ser amor. Acredita em contos de fadas e em todos os mundos mágicos do universo das palavras. Das mais certas, mas também possuí incertezas. Um pouco louca. Escreve e sonha.

Deixe uma resposta