Não é de hoje que desejamos tornar nossa vida em uma história de cinema. E não, não estou falando de Cinquenta Tons de Cinza. Existem diversas histórias que ocorrem nos filmes que gostaríamos de viver de verdade, algumas vezes até sonhamos que somos alguma personagem de um filme.

E existem filmes que nos ensinam mais do que imaginamos, mas que às vezes passam despercebidos, apenas pelo fato de não estarmos maduros o suficientes na época para entender o que passava ali diante de nossos olhos. É por isso que eu sempre assisto novamente aos filmes e recomendo que façam o mesmo. E isso aconteceu comigo recentemente, tirei uma enorme lição de uma história de certa forma simples, mas bem complexa, que na época do lançamento do filme eu não havia me dado conta.

E tudo começa pelo título, “Amizade Colorida”, protagonizado por Justin Timberlake e Mila Kunis. Certamente é algo que nunca vivi em minha vida, talvez porque tinha uma mente fechada e um coração fechado para novas experiências.

Como o filme já é relativamente antigo, não darei spoiler, mas sim uma breve sinopse. É a história de duas pessoas, Jamie e Dylan, que por ocasião do trabalho de ambos, se conheceram e se aproximaram bastante, criando ali uma amizade sincera. Eles se sentiam confortáveis um ao lado do outro, faziam diversos programas juntos, se divertiam, confidenciavam segredos e histórias de família, compartilhavam seus problemas diários, seus medos. Eis que em um determinado dia, o assunto sexo surgiu na conversa e ambos disseram estar há um tempo sem fazer, por não encontrarem mais pessoas interessantes e querendo fugir de tudo o que envolvia relacionamentos, como as discussões, ciúmes e tantas outras coisas. E Dylan oferece que eles tenham uma “Amizade Colorida”, apenas para satisfazer o desejo sexual dos dois. E nisso, ambos fazem apenas uma promessa: “Sem sentimentos!”.

Até essa altura, você pode estar pensando que seria mais uma história simples e sem graça. Mas é aí que surge o grande ensinamento do filme ou a grande mensagem que eu tirei da narrativa.

Os melhores relacionamentos surgem das melhores amizades ou então você encontra no seu relacionamento o seu melhor amigo, a ordem não importa tanto, sabemos que relacionamentos não têm receitas prontas. E aí que eles são surpreendidos pelo amor. Eles se esqueceram que quando fizeram o pacto pela amizade colorida sem sentimentos, eles já tinham fortes sentimentos um pelo outro. Já sentiam afeto, afinidade, carinho, respeito, já tinham intimidade e uma química natural, eles se sentiam confortáveis um com o outro, era o encontro de dois mundos que habitavam a mesma órbita.

E eles adicionaram à esse mix de sentimentos, a química sexual. Acredite ou não, o sexo faz sim parte de um bom relacionamento. Se não há química sexual entre o casal, dificilmente a relação como um todo dará certo. O sexo é o auge da intimidade entre duas pessoas, se não há química no momento em que não existem barreiras entre os dois, dificilmente haverá química em outros aspectos. Repare bem, dificilmente, não quer dizer que é impossível.

Mas voltando para a história do filme, após um tempo de amizade colorida, eles se vêm traídos pelos próprios votos, começam a ter sentimentos afetivos além da amizade um pelo outro, começam a sentir ciúmes e a querer estar cada vez mais juntos. Até tentaram se afastar por um tempo, mas já era tarde demais, da amizade virou amor e do amor, não tem como fugir. Você pode até fugir dos relacionamentos, mas do amor, não.

Essa foi a lição que eu tirei após assistir novamente “Amizade Colorida”. Não existem receitas prontas para um relacionamento dar certo, mas uma boa amizade faz um bom relacionamento e um bom relacionamento faz nascer o amor!

Marcelo Taveira

Written by

Marcelo Taveira

O melhor de você, apenas você pode extrair.