Crônicas

Aos bons picos de felicidade

A vida é composta por momentos e neles a gente caminha na corda bamba feito equilibrista, sabe? Em dadas circunstâncias somos transpassados por felicidades imensas, já em outras inúmeras vezes a gente só encara os dias sempre desejando dias bons lá na frente. Por isso, leia ao som de:

Às vezes não tem outro jeito, o jeito é seguir.
Lembrar que o que me fere, também me faz sorrir. Escrevo em um bilhete: Ame tudo que puder. Seja o que for. Venha o que vier.

Eu sempre penso e escrevo que a cada finitude de um tempo bom, a vida te dá a chance de agradecer. E foi assim que encarei as coisas desde que comecei a entender que as entradas e saídas de pessoas não precisam ser carregadas de mais pesos do quê elas já possuem …

Como em uma prece, viro para Deus e peço sabedoria. Mas, não para enfrentar, mas para viver as dores de um modo que eu saia disso um pouco melhor. Tem até uma música da banda NX Zero que fala um pouco disso… “O que você fez comigo, me ajudou a ser melhor e só hoje eu vejo isso”.

Sabe, eu não sou o estilo de que vai conseguir mudar a narrativa e o enredo a qualquer custo, e aceito as coisas como são. E talvez, eu facilmente deixo ir pessoas que gostaria muito mesmo que ficassem, mas eu acredito que pessoas só ficam quando querem… Talvez, seja só uma maturidade carregada de dor, por finalmente entender que eu fiz o meu melhor e que a escolha certa é seguir.

Natália Rezende

Um ser amor. Acredita em contos de fadas e em todos os mundos mágicos do universo das palavras. Das mais certas, mas também possuí incertezas. Um pouco louca. Escreve e sonha.