Era de manhã, o sol começando a cintilar pelas frestas da janela daquele quarto. Poderia ser uma outra segunda qualquer, se não fosse o início de mais um ano. A cidade ainda em ressaca, tentando voltar a rotina. Pouco se ouvia nas ruas.

Lá estava ele deitado, olhando para o teto, com o olhar distante, e aquela sensação de quem mal conseguira dormir.

Depois de algum tempo vagando em seus pensamentos, ele percebe que ela já acordada, o observava de lado.

Os olhares se cruzaram. Ele, ainda em tempestade mental, com o semblante preocupado. Ela, ainda com um leve sono, exaltava leveza.

Silêncio. Ali permaneceram por um tempo, se olhando.

– Sabe, todo ano vejo as pessoas fazendo seus planos, eu mesmo tento seguir isso, e mais uma vez percebo que praticamente nada sai como o esperado – finalmente ele quebrou o silêncio. – Ano novo, vida nova, será mesmo isso? Se nem sempre as coisas saem como a gente espera, por que criar essas expectativas?

– Você não pode mudar o que te incomoda do lado de fora, se não começar por dentro! – respondeu ela daquele jeito calma e delicado, e sorriu.

Ele finalmente sorriu e se aconchegou em um abraço matinal. Tinha certeza que ela chegara para lhe completar!

SHARE
Previous articleSobre Corina
Next articleEstradas
Wanessa Rocha
Apaixonada por poesia, cores, sabores, lugares, sorrisos, livros, fotografia, músicas, família, amigos, natureza... Uma pequena andarilha errante de alma transparente e eterna aprendiz com a vida!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here