Oi, tudo bem? Quis escrever está carta a você, pois em algum momento e de algum modo chamaste minha atenção. Não sei quando e nem como este pedaço de folha, ou melhor, estas linhas digitadas chegarão até você. Peço-lhe também que não se assuste, esta não é uma carta de amor, muito menos declarações, porém considere-a. Tenha um carinho diferente por estas palavras que lhe escrevo, saiba que se recebestes algo assim, entenda que por algum motivo lhe achei interessante. Tocaste não meu coração, longe disso, mas um interesse. Despertaste curiosidade. Sim, exatamente isso. Sabe aquela coisa de imaginar um jantar, uma volta por aí pela cidade, um bom papo, talvez até um bom vinho acompanhado de uma boa massa, mas acredito que com você, apesar de merecer o melhor lugar, não importa onde estivermos, o mais importante seria estar ao seu lado.

Entretanto, não imagine o clichê de que “qualquer lugar é bom com você”, ou que “até no silêncio é bom estar contigo”. Não, não.  Eu iria um pouco mais além. Eu poderia perfeitamente arrancar seu melhor sorriso, e de antemão lhe escrevo que ele é lindo, não é do tipo que mostra os dentes brancos, mas daquele meio bobo, que encanta, digo que me encanta. E sabe por que? Pelo fato dele combinar com seus olhos. Já percebeu a sintonia do seu olhar com teu sorriso? Sou suspeito pra falar, devido que sou admirador nato de sorrisos e olhares.
Eu poderia passar varias horas com você e não notaria o quanto tempo passou. Você é linda. Sim, bonita, não no estilo panicat, essas não me atraem. Sua beleza é natural, nada de maquiagem ou algo chamativo. Percebo o quanto de verdadeira você tem, sua simpatia não comento novamente, imagina se eu vou relatar que o seu rosto é para mim quase que um hipnose. Não de ficar com cara de bobo, mas de deslumbrar, encantar, por um semblante tão discreto, porém um dos mais incríveis que já vi.
Foi a primeira vista. Foi no primeiro momento, não quero te assustar dizendo-lhe que quero teu abraço ou teu beijo, e me surpreenderia se no meio do corredor viesse a vontade de lhe beijar. E pra compartilhar com você, imaginei um beijo quase que sensacional. Um beijo quase que de novela, não técnico, mas aquele tipo calmo, lento, que faz correr os minutos, que acelera um pouco o coração. Por falar em beijo sinto um pouco do que relatei, algo muito próximo do real. Senti sim seus lábios tocando nos meus.
Me desculpa parar de escrever tão subitamente, esta tarde e era apenas uma carta de apresentação, era pra ser uma carta pra ter apenas um primeiro contato, era pra falar de você. Me desculpa a ousadia é que não resisti segurar as palavras. Já que elas assim como eu queria ir ao encontro de você, a qualquer hora e em qualquer lugar.

Ass: Raphael Naciff Carneiro, esta não é uma carta de amor, são pensamentos soltos traduzidos em palavras, by Jota Quest, em um dia de julho tipo quinto dia.

Raphael Naciff

Written by

Raphael Naciff

O que nos separa é a coragem de escrever. Revelar o que escrevemos no papel vai além de descobrir os segredos da nossa memória. Raphael Naciff Carneiro em Memórias Alucinantes de um espírito qualquer.