Estou colocando em ordem essa bagunça que é meu ser. Essa casa um pouco fria e introspectiva, mas repleta de histórias marcantes. É coisa rápida, prometo, só um momento para me livrar dos excessos. Um dia para acalmar as coisas por aqui e entender o que está acontecendo.

Porque aqui não era assim, sério. Mas sou fruto das circunstâncias, é inevitável não ser atingido. É um pouco impossível não ser pego por pequenos estilhaços de uma sociedade em explosão.

Tudo isso aqui já foi um livro aberto,como uma casa de vidro, que todos podiam avistar de longe o que se passava por aqui. Mas algumas pedras foram acertadas, nem todas pegaram em cheio, mas causaram arranhões e alguns abalos nessa estrutura frágil.

Hoje está tudo revestido e reforçado, o acesso não é fácil, a vista de fora não é nada clara, e eu nem percebi quando tudo aconteceu. Mas reformas deixam bagunças, né? E algumas dúvidas também, e é isso que eu estou colocando em ordem.

Ponderando onde posso colocar umas janelas, e quem eu vou permitir chegar para uma inauguração. Fechei para balanço, estou ocupada com a faxina, mas aviso a quem interessar quando tudo estiver pronto.

SHARE
Previous article(Outubro) Rosa que Salva
Next articleQual é o problema de ser gordinha?
Caroline Alves
"Uma jovem apaixonada pela vida e por todos os momentos que ela proporciona, que adora estar cercada pela família e pelos amigos, mas também adora a sua própria companhia. Acredita no melhor do ser humano, e sobretudo, no poder do amor."

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here