Geralmente eu começo textos pessoais com a palavra “engraçado”. Porque é engraçada a forma com que as coisas acontecem. Não que seja engraçado tudo que me rodeia, as vezes doem e chateiam, ferem e modificam, mas elas sempre têm vieses engraçados.
Foi engraçado como tudo começou. É engraçado como tudo começa. Deve ser essa necessidade de se fazer sorrir. E você que me conhece ao vivo e a cores, ou pelas coisas que escrevo, deve notar o quanto eu gosto de sorrisos. Foi engraçado o começo disso tudo, porque eu estava em um mar de sofrimento. Meu relacionamento mais intenso havia se encerrado definitivamente e eu estava em uma situação pouco confortável. Andava triste pelos cantos. Desapegar-se é uma tarefa árdua. Cansativa e diária. E foi pensando no que fazer para não me tornar algo que julgo errado, comecei a colocar em prática os meus maiores sonhos. Olhei para dentro de mim, na sala escura do meu coração, fiquei sozinha. No tapete atrás da porta, chorei e rezei baixinho.
Quando abri meu coração, vi meus olhos escrevendo minha alma em um computador. Meu blog nascia. Nascia também uma nova mulher. Uma nova escritora. Uma nova brasileira. Uma nova irmã e uma nova filha. Meu blog, o Soul Free NR, minha alma livre, foi o ponta pé inicial para os sonhos que estavam guardados na gaveta.
Eu me descobri persistente e editora. Percebi o meu lugar no mundo. Levei vida através da arte às pessoas. Conheci novos amigos. Dei espaço para novas pessoas. Renasci das cinzas. E hoje? Hoje eu posso dizer que vivo imersa nas palavras.
O Soul Free NR mudou. Ganhou mais gente. Gente do bem. Gente que tem na arte de escrever o seu maior valor. Pensei, por que não expandir? É amor o que queremos levar. E lá atrás a gente não tem noção do tamanho do fruto que nasce de uma sementinha lançada em terra fértil. Minha semente alcançou tantos corações que não ouso não deixá-los trabalhar em um novo quadro negro. Nasceu dentro de nós o Giz da Alma. O nosso novo blog que de maneira engraçada também começa. O amor está aqui.