E ele veio sem eu pedir.
Entrou, sentou na poltrona. Instalou alguns pertences. Cruzou as pernas. Estava vestido de elegância. Encheu-me os olhos. Novo inquilino.
 Tinha o papo bom. E eu gostei dele logo de cara. Palavras, malditas palavras que vivem me ganhando fácil. Mas no momento era diferente.
Assustadoramente, de uma forma única, aquele moço fechava-se para mim. Como se eu não fosse confiável o bastante para também morar ali. Abusado, não? Mas soava como um desafio. Até mesmo um certo charme.
Ele falava pouco. Mas destilava algumas verdades que me roubavam o ar. E sabe? Ele me fazia sentir borboletas no estômago novamente e aquele gelo na espinha que há muito tempo não sentia. O Timor apertava-se no peito e eu sem muito esforço não quis de maneira alguma fugir do que eu já sabia que viria ali num futuro tão presente e próximo.
 Apaixonar-se é divino. Um presente que não se pode evitar nem tão pouco guardar para si.
Droga! Não era para isso está acontecendo agora. Mas está.
Antes de morar em mim, o novo inquilino é visita. Visita que veio aos poucos. Que vem aos poucos. E de vez em quando vem aqui e rouba uma parte de mim. E deixa um pouco dele. Hoje mesmo roubou-me sorrisos sinceros. E deixou-me sentimentos ternos. E isso tudo está tão bonitinho, que mesmo que não vire mar, o rio já fez o seu papel. Desenhou traços tão bonitos em mim. Talvez, também nele.
A chave do meu coração eu ainda não o entreguei, por mero cuidado de evitar a dor. Mas, pelo andar de todo o desenrolar dessa história, qualquer dia desses, eu até o deixo entrar, mas não vou deixá-lo ir embora. É que numa dessas visitas tão repentinas, ele se tornaria calmaria em mim. Moraria, se quisesse, em mim.
Natália Rezende

Written by

Natália Rezende

Um ser amor. Acredita em contos de fadas e em todos os mundos mágicos do universo das palavras. Das mais certas, mas também possuí incertezas. Um pouco louca. Escreve e sonha.