Ao primeiro instante um olhar de reconhecimento, olhares de observação, percepção, pele, corpo, olhar, boca, sorriso, o jeito, foi assim o primeiro momento.

O segundo momento foi de total desvio, cada um se reprimiu e de longe apenas observava sem que o outro percebesse, este o momento mais pontual.

Então chega o terceiro momento e ocorre o choque. Os olhares se percebem, se cruzam, se encaixam em questão de segundos, começa então a saga da conquista, das descobertas, do olho no olho, sorriso fácil, papo leve sem obrigações, sem pesos, sem mais nem menos, apenas papos…

Com o passar do tempo sem que os envolvidos notassem, suas almas vão se entrelaçando, criando uma corrente invisível que os prendem fortemente, então vem à pausa, cada um procura seu espaço, outros momentos, mas claramente já estão presos, entrelaçados por uma curiosidade, um desejo, uma liga rapidamente criada.

E repentinamente um estalo, se olham, se sentem, se desejam, vem então o momento do toque, o contato, a mão firme passando sobre sua cintura que lhe arranca aquele sorriso de canto de boca, que se desdobra em um sorriso que à ilumina de maneira surpreendente, agora mais que nunca os olhares não se desgrudam, os rostos se aproximam de uma maneira hipnótica.

Então o beijo acontece, vem pra coroar todo o jogo de sedução, surge ai uma sequência de descobertas surpreendentes que naqueles dias os enlouqueceram. O toque, a carícia, a liga, é claro, se olham, se desejam, se reconhecem. A relação então passa a se transbordar carinho, respeito, sintonia, cumplicidade, além de um desejo alucinógeno, de um tesão incontrolável, os corpos se entendem como se conhecessem a muito tempo.

Isso se repetiu por esses intensos e marcantes cinco dias de desejo, sedução, bocas, sorrisos, toques, e principalmente olhares, marcas desse INTENSO E MARCANTE verão.