Crônicas

Mini crônica 3 – Seus sentimentos.

Observava as próprias mãos e as unhas bem aparadas. Olhava, atentamente, as figuras que a fumaça do seu café formava em volta dos dedos sobre a xícara. Tentava decidir se aquele sentimento, que lhe queimava a alma, era ódio ou amor…

Estava sempre quieta nos últimos tempos, algo dentro dela não se acalmava, não conseguia entender pra onde vazavam esses sentimentos.
Estava especialmente aborrecida nessa noite.

Havia uma necessidade de falar que lhe desassossegava. Mas falar o que? O que lhe era tão urgente para dizer, quando nem dentro de si as palavras se juntavam para fazer sentido?
Sorveu um gole grande do café fumegante e quis chorar.

Se haviam razões para chorar, desconhecia. Só a vontade lhe apertava o peito e a garganta. Olhou para fora, a noite era fria, as luzes amarelas das ruas olhavam de volta para ela. Deu um grito com toda a força de sua voz, pulmão, coração e aquilo que não definia, mas que estava lá em seu peito.

Deixou-se cair na poltrona macia, ainda aborrecida, mas aliviada pelo urro. Aquietou-se ainda mais, mal percebia sua própria respiração. Aquietou-se, aquietou-se, aquietou-se… ali adormeceu. Agora era apenas silêncio.

(Para nós, que muitas vezes não sabemos o que sentimos)

Foto da Thought Catalog

Mariah Alcântara

Mariah, escritora, sonhadora e apaixonada pela vida. Escrevo desde os 15 anos, comecei com devoção por poesia e depois crônicas e contos (minha paixão). Faço parte de alguns projetos literários importantes, entre eles a Roda de escritores (que hoje tem outro perfil de trabalho) e Escritores da Era do Compartilhamento. Acredito que o sucesso vem com trabalho, e trabalho com amor gera sucesso.