Eu sei que agora as minhas palavras parecem confusas, e até entorpecidas, mas elas farão sentido um dia. Perdoe-me por não encontrar um meio mais fácil para dizer que estou te abandonando. Se é que estou mesmo fazendo isso, uma vez que nós nunca nos pertencemos.
Você fez parte de uma fase da minha vida que era caracterizada por intensidade. Então, certamente, você trouxe um punhado de sensações e lembranças marcantes. Até pouco tempo, eu ainda podia senti-las, e me questionava se alguém faria algo parecido um dia.
Se você me conhece, como julga ser o único, sabe que eu sempre fui apressada com os planos. Hoje, depois desses longos anos, eu continuo sonhando os mesmos sonhos que te apresentei. E tenho pressa! Quero encontrar meu lugar, quero ter um amor que me desconcerte e concerte no mesmo minuto, quero filhos, quero tardes de domingo vendo o pôr do sol, e mais que isso, quero acampar na sala pra ver filme na madrugada.
E eu queria tudo isso com você. Estava convicta de que o tempo ia afastar você dessa vida que leva agora, ia te fazer questionar as escolhas que fez e ia te trazer de volta. De volta pra mim. Mas eu não posso mais esperar. Não posso esperar que venha num dia qualquer perguntar se estou bem, se tudo vai certo na faculdade, ou se estou com alguém. Se eu esperar, vou largar esse alguém, como já fiz tantas vezes, achando que vai voltar e dar sentido pra minha história com final feliz.
Era esse tipo de poder que você exercia sobre mim. Eu seria capaz de largar tudo para construir algo com você. E é por isso que estou te escrevendo agora. Eu preciso trancar a porta quando você sair. E dará certo se você não voltar a batê-la nos próximos anos. Eu sei, bem no fundo, que você é feliz agora. Não importa o quanto me diga que o futuro é incerto, ou que há sempre esperança pra nós. Eu não posso mais acreditar em você.
Eu vou ficar bem. Vou ter aquelas crises existenciais de vez em quando, e posso até cortar o cabelo de novo. Mas vai passar. Você não vai mais precisar apagar meu número da sua agenda quando for se encontrar com a sua parceira, e nem ficar acordado até a manhãzinha de sábado só pra sonharmos juntos.
Não precisa reaparecer daqui alguns meses dizendo que nossa ligação está intacta ou que vamos nos ver nos próximos dias, naquele feriado que nos une. Estou mudando a minha rota, querido. Se cruzar com o meu olhar algum dia e sentir algo, tente se lembrar de quantas vezes me deixou chorar na madrugada ou de quantas noites perdi tentando encontrar você. Você certamente sentirá a cicatriz arder. E se lembrará, que eu sempre odiei cicatrizes.
Você ouvirá falar de mim daqui algum tempo, lerá meus textos e até verá minha foto de perfil quando adicionar meu número na agenda. Ouvirá alguma música ou vivenciará um momento que tem a minha cara. Alguém pode até respirar como eu, mas você sentirá a diferença.
Me deixe ir. Você sabe que nosso tempo passou. E quanto a isso, nada pode ser feito.

SHARE
Previous articleA noite dos “monstros”
Next articlePara outubro
Hanna Martinelli
"Há duas coisas que você precisa saber sobre mim: Sou colecionadora de sonhos e escrevo sobre tudo. Ás vezes, até sobre o nada."

2 COMMENTS

  1. há alguns laços que precisam ser desfeitos, simplesmente porque eles nos impedem de seguir em frente… parabéns Hanna, amei o texto!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here