Crônicas

Nossos pequenos saberes

Sabe, em alguns dias há um vazio no meu coração, mas o estranho é que embora vazio, não está vazio; tem sempre uma lembrança sua. Tem uma “foto” de um momento, dos tantos vividos, guardados na minha lembrança.

A minha cabeça carrega, com clareza, o som da sua risada. Aquela risadinha que representa tanta coisas boas, tantas graças, tantas levezas…

Sabe, sempre foi a leveza, além da franqueza, que nos fez continuar, né?! E que bom que isso foi o arrimo de tudo. Pois eu gosto mesmo de olhar lá atrás com a certeza desse grande amor. Tão grande amor, que me cobriu tantas vezes. Tão grande amor, que me levantou sempre.

Na minha memória tem gravado cada traço do seu rosto, a curva dos seus lábios, os olhos atentos.

Sabe, eu ainda canto as mesmas músicas que me marcaram quando te conheci. Hoje já nem sei se é por não saber outras, ou para viver de novo, e de novo, e de novo, aqueles momentos tão doces.

Minha pele tem gravada o toque das sua mãos, é como tatuagem. E mesmo que ninguém veja, eu sei onde está.

Sabe, eu sei que você sabe.

Mariah Alcântara

Mariah, escritora, sonhadora e apaixonada pela vida. Escrevo desde os 15 anos, comecei com devoção por poesia e depois crônicas e contos (minha paixão). Faço parte de alguns projetos literários importantes, entre eles a Roda de escritores (que hoje tem outro perfil de trabalho) e Escritores da Era do Compartilhamento. Acredito que o sucesso vem com trabalho, e trabalho com amor gera sucesso.