Era mais uma noite de chuva, claro, sempre é quando se tem pesadelos, o imperador se remexia, soava e proferia ofensas às personagens de seus terríveis sonhos. Há dias, eu ouvia os servos do castelo comentarem os berros vindos dos aposentos imperiais. Nem ao menos imaginavam os motivos para tais manifestações, e claro, ninguém comentava em sua presença, mas o imperador confidenciava todos estes pesadelos a mim, seu conselheiro, quem até o final tentou entender qual foi afinal a maldição lançada sobre o pobre homem.
Na manhã seguinte, o imperador tinha uma questão difícil, que me custou muito tempo pra alcançar algo que pudesse chamar de resposta.
– Me diga, conselheiro, o que é a loucura? – me olhava esperançoso de que eu tivesse uma resposta instantânea, mas eu obviamente não era, e ainda não sou detentor de tanto conhecimento. Tentei contornar a questão na busca de entender seu contexto e por meio de tal sanar a dúvida de meu senhor.
– Me diga, meu senhor, o que o leva a indagar sobre tal coisa? – Responder a uma pergunta com outra pergunta sempre me fazia ganhar tempo, além de fazer parecer que eu estava interessado.
O imperador me olhou expressivamente, era quase como se pudesse materializar o que diria a seguir, abriu a boca uma ou duas vezes, mas parecia receoso de iniciar qualquer descrição.
– Há muitas noites venho tendo pesadelos estranhos, os estava ignorando, pois, afinal, eram só sonhos ruins. Mas eles decidiram que devem me importunar durante o dia, agora os vejo andando pelos corredores do castelo, procurando por mim….
– Eles? Refere-se aos sonhos, meu senhor? – perguntei para continuar expressando interesse.
– Os Homens de Branco, é claro – ele diz abaixando a voz como se temesse ser ouvido.
– Estes tais Homens estão nos seus pesadelos, meu senhor?
– Estão também por toda a parte, meu conselheiro, vá e me traga uma solução – disse dispensando-me repentinamente.
Prometi que iria às minhas fontes de pesquisa, e que em poucas horas traria uma resposta pra ele sobre a tal loucura, mas a verdade é que sabia que não havia uma resposta em lugar algum, era a primeira vez em todo o Mundo. Já havia quase abandonado o grande salão quando me lembrei de uma pergunta importante.
– Me diga, meu senhor, em que situação ouviu essa palavra? Loucura? – perguntei quase aos berros ao longe.
Ele se levantou e caminhou lentamente até mim, e isso ele não fazia nunca, mas creio que ele temia tratar deste assunto em voz alta.
– Os Homens de Branco falavam sobre isso uns com os outros nos pesadelos – ele me olhava com tom grave – e não diga isso alto, ou eles virão atrás de você também…
O imperador decididamente estava agindo de forma estranha, ao invés de ir a meus livros, fui até os curandeiros, descrevi os sintomas, mas nenhum tinha ideia de que doença ou maldição caíra sobre meu senhor. No fim do dia, retornei sem respostas ao castelo, onde o imperador já me esperava.
– Onde esteve o dia todo? – ele parecia nervoso, as jovens curandeiras à beira do trono denunciavam que algo de errado aconteceu na minha ausência.
– Eles tentaram me levar daqui, falavam sobre uma tal cura, mas eu me sinto cada vez pior, havia um deles aqui ao lado agora pouco, ele me dizia que faltava pouco e tudo ia ficar bem. E eu ainda nem mesmo sei o que é a tal loucura de que me acusaram e agora querem me livrar.
O imperador estava cada vez mais nervoso e eu temia por meu senhor. Mas o que poderia eu fazer? Era apenas um conselheiro, um conselheiro que se via sem respostas.
Havia ainda um curandeiro que eu não havia interrogado, mas ele há muito havia sido exilado pra terras além do reino, ele que acusado do uso de magia negra, era conhecido por aqui apenas como O Negro. A verdade é que eu gostava dele, mas mais uma vez, minha baixa influência justifica minha incapacidade e não pude agir em seu favor quando o conselho o baniu.
Viajei ao entardecer daquele mesmo dia em que o rei piorou, e quando o sol nascia eu já estava nas terras daquele homem erroneamente chamado de O Negro. O homem alto me encarou e quase pude ouvi-lo rir internamente.
– Então o rei vê homens de branco que o perseguem? Fala sobre loucura e também sobre uma cura?
– Exatamente, a cada dia isso é mais frequente – respondi sério, encarando-o firmemente – me diga, que está havendo? Como por um fim a isso?
– Logo vai ter fim, só temo que não seja o que você espera, nobre conselheiro. Seu rei foi convocado de volta à Realidade.
– De volta?
– Sim! Sim! Todos nós viemos de lá, e alguns voltam. Todos os que voltam, resistem, então os Homens de Branco dizem que o convocado tem Loucura, e a cura seria o fim da resistência, é quando se é absorvido pela realidade.
Não questionei mais a situação, pois confiava no velho amigo, peguei o rumo de volta ao castelo e cheguei ao entardecer. Subi correndo a escadaria, ainda não havia decidido se daria a notícia ao meu senhor, e mesmo que fosse, não haveria tempo.
Quando entrei no salão principal só pude ver um rosto terno e vencido do imperador, dois homens de branco o seguraram pelos braços e o guiaram até uma porta que surgiu atrás do trono e desapareceu assim que entraram.
Agora, enquanto escrevo essas palavras estou sentado em seu trono que ainda não foi preenchido, acho que ele não se importaria. Tenho aqui comigo dois companheiros que aceitaram esperar que eu documentasse esse fato antes de me levar também. Sim, depois de muito fugir, acabei me entregando aos Homens de Branco também. E deixo dito a cada um que venha a ler este, viva tudo o que puder e enquanto puder, pois cedo ou tarde, os Homens de Branco vêm buscar você e o levar aos braços da cruel realidade.

Vinicius Maboni

Written by

Vinicius Maboni

Um sonhador nato, um escritor beta (e preguiçoso). Um ser humano em treinamento.