Quinta do Autor

O sabor dos sentimentos

O sabor das coisas está muito ligado ao paladar, não é mesmo?!

Porém, a habilidade em saborear emoções, sentimentos e acontecimentos, reside no aguçamento da sensibilidade humana.

O ser humano sensível consegue utilizar de sua perspicácia para fazer da sua alma o terreno mais fértil que possamos imaginar.

Pode parecer contraditório, mas essa agudez de espírito que alguns possuem, torna-os capazes de vivenciar e sobretudo “saborear” os mais variados, leves e nobres, carrascos e sombrios, sentimentos.

Sensibilidade humana desperta a força e coragem de colocar-se no lugar do outro… Faz-nos quase depreender o tão complexo mundo subjetivo alheio, de modo a tornar-nos “cúmplice” na dor, na calmaria, na tempestade e na felicidade gratuita de um abraço, de um gesto e até mesmo de um olhar carregado de mensagens ocultas aos olhos nus, sem revestimentos emocionais.

Ser sensível, é isso… é despertar em si por meio do outro, aquilo que há de melhor nas relações, no outro, em nós mesmos…

Todavia, sarcasticamente, o ser sensível possuí a fragilidade em lidar com os sentimentos “carrascos”. Desse lado da moeda, a sensibilidade atua cruelmente, tornando-nos vítimas da sua algoz habilidade sensível de ser.

EM OUTRAS PALAVRAS… Sentimentos que consideramos ruins (desafeto, desamor, indiferença, ódio) passam a não servir-nos de aprendizagens, mas tormento subjetivo da integridade humana.

Essa sensibilidade aguçada causa tal dualidade… Terreno espiritual regado para o plantio do SER e ESTAR seu e do outro, como também terreno emocional pouco fortificado para aceitar tranquilamente o carrasco de algumas experiências…

O sabor dos sentimentos só poderão ser apreciados na sua originalidade se permitirmos essa sensibilidade… Assumir o genérico dos sentimentos é confortável e não torna-nos intensos e profundos nas nossas vivências, pois nunca alcançamos o “núcleo” das experiências vividas… Pois bem, encarar sabiamente o real agregado ao emocional é notar que nem tudo são flores, precisamos dos seus espinhos para admirá-la mesmo ferindo-nos às vezes…

Sensivelmente, viva e ame a vida na sua multiplicidade de sentimentos, às vezes é dolorido, mas faz parte!

Breno Suarte

"Tudo se compra, menos a vida. A vida se gasta."

Deixe uma resposta