Quinta do Autor

Passou tão rápido, né?

É que sentado aqui, venho relembrar quantas promessas e planos que não se cumpriram, que eu não cumpri. Parecia dar tudo certo, mas nada! Não deu, infelizmente.
    É que relendo certas mensagens, percebo que era tão forte e sincero o carinho e respeito. O quão bonito e próximo de certas pessoas já fui, que fica até difícil de entender por que não é a mesma coisa ainda hoje.
O tempo passou tão rápido, que acabou desfazendo certas coisas. Desfazendo e enfraquecendo muitas amizades.
    E me dói! Por vezes me dói muito pensar que com o passar desse tempo muitas pessoas fugiram e escaparam por entre os meus dedos, sem ao menos eu perceber. Sem ter se quer uma chance de pedir uma vez, para ficarem. E se pedi eu não fui bem claro. Talvez foi culpa minha.
    Mas encontramos pessoas sim, que se encaixam em certos espaços que outras deixam. Só que nunca o espaço será totalmente  completo, pois “os ventos” trazem “poeira” para nos lembrar que certos espaços nunca serão completos, apenas preenchidos. Pois ninguém é igual a ninguém. Já outros constroem o seu próprio espaço.
    Hoje só peço que os ventos continuem, trazendo boas e felizes notícias suas, pois o que sempre irei desejar serão felicidades. Me deixa feliz, também. Sem mais.
Emanoel Filipe

Escrevo eu mesmo. Escrevo o que penso, e sinto. Exponho em um simples papel, todos os meus sentimentos e confusões!

Deixe uma resposta