Uma tarde pode tomar para si contornos inimagináveis a partir de uma ligação. Assim como, um simples e inocente convite, poderá ter grandes proporções.

E foi assim… a tarde ficou noite. E com a noite veio a escuridão, onde apenas a lua iluminava aquela rua escura e pouco povoada. E foi ali que dois tímidos corpos se encontram, ainda acanhados, já com olhares fixados e o beijo acontecendo. E quem diria, que aquela noite, sendo antes simples e inocente, poderia acarretar em grandes mudanças?

É que com o encorajamento de uma mensagem de texto, a apreensão da chegada, o sorriso dado quando avistamos o seu recebimento, gera uma tal ansiedade e curiosidade. Nos instiga ainda mais um tal ansiedade, e pah! …a mensagem impacta grandes mudanças.

E isso tudo vai se tornando rotina, o mesmo olhar tímido de sorriso fácil, a timidez angelical que transborda bom humor construindo os sorrisos fáceis. Vamos nos apegando aos beijos cada dia mais calientes, e encaixando nossas personalidades de forma bem rápida, tomadas pela transparências dos olhares intensos.

E não se desgrudam, mesmo quando o que é físico o distanciam. Já que, os pensamentos os conectam. O contato, então, passa a ser diário, “horário, minutário, seguntário”, vai se tornando uma rotina cada dia mais ansiosa, cada dia mais conecta.

Mas assim como, o calor da paixão vem como uma avalanche, arrebatando tudo o quê está pela frente, deixando marcas, cicatrizes, lembranças, vem muito rápido e forte, ela assim se desfaz…

Então, ela foi… mas deixou um misto de histórias, sensações, lembranças, sorrisos, choros, alegrias, tristezas e inúmeros situações ocorridas. Paixão é bom, é gostoso, é intenso, é marcante, vem como um tornado, transforma tudo por onde passa, bagunça tudo… e se vai com a mesma velocidade que chega.