Os nossos crescimentos como pessoas passam por tantos módulos que alguns chegam a ser tão certos que até nos assustam.

Queria te dizer o que escondo.

Sei que por vezes eu sou imatura, mimada, mandona, zoeira, ciumenta e até chata. E adoro o jeito que tu levas tudo isso numa boa. E te preocupas se tudo está bem. É, tu és um ser humano incrível. Que me irritas sempre. Cansas-me, menos cinco dias no mês. Deixas-me na faculdade, no trabalho. Onde eu quero? No teu peito algumas centenas de vezes.

Sei lá! Sei das minhas qualidades. Sei dos meus defeitos. Já fui traída e acho que uso isso como desculpa para não confiar nos sentimentos dos outros, mesmo confiando. Confuso e complicado, como eu. É uma ferida que eu quero curar. Desculpa-me pelas consequências.

A minha alma andava cansada de tantas coisas que tu já sabes. Não nasci para os vieses que a vida boêmia me trouxe. Mas ainda bem que tu chegaste. E tornou meus dias tão lindos e vivos. Cheios de sorrisos.

Existe uma música do Wando (não me zoe) chamada Moça, que cantada genialmente pelo Alexandre Pires, parece-se com a gente. É que tu conheces o meu passado. Sabes das impurezas que carrego no peito. Mas preferes me olhar nos olhos e entender que sou mais que alguns beijos e transas que não deram certo. Preferes te enrolar nos meus cabelos e no meu corpo de amor se perder.

Acho que tu sabes que gosto de ti. Gosto de um jeito simples, mágico e todo nosso. Porque o amor é essa construção de quatro mãos que tu estás me ajudando a construir. Nem castelo, nem mansão. Talvez, uma casa no campo, onde podemos criar nossos filhos de cuca legal, ter nosso escritório com livros espalhados por todos os lados, uma varanda que caibam nossos verdadeiros amigos para jogar e comer conosco e uma rede preguiçosa para deitarmos. Nada mais! 

Do lado de cá? Tão agradável solidão compartilhada.

Natália Rezende

Written by

Natália Rezende

Um ser amor. Acredita em contos de fadas e em todos os mundos mágicos do universo das palavras. Das mais certas, mas também possuí incertezas. Um pouco louca. Escreve e sonha.