Crônicas

Viva a instabilidade emocional

Hoje eu acordei me sentindo um nada. Isso mesmo, um lixo, inútil, um ser descartável. Mas não terminei o dia assim. Não tá entendendo bem né? Então vou tentar explicar.

Eu só acordei com esse sentimento. No decorrer do dia já me transformei muitas vezes. Em muitas coisas. Me senti assim de manhã, mas a tarde eu já havia respirado fundo. Me senti um leão, forte, destemido. Me senti uma muralha inatingível. Já fui do nada ao tudo. Pois sou essa instabilidade em forma de pessoa mesmo.

Já me arrumei pra ir no supermercado, troquei o cabelo de lado várias vezes. Mas voltei lá mais tarde como uma pessoa que não tava nem aí para o que os outros iriam pensar. Já ganhei na mega sena e imaginei o que faria com 25 milhões de reais. Tenho uma mente bem criativa mesmo. Quem nunca pensou isso né? Mas não foi dessa vez.

Eu senti a chuva queimando e o fogo dando frio na espinha. Fui o mocinho e o vilão. Achei que não superaria um amor, chorei. Chorei muito mesmo, mas duas horas depois eu já estava com a melhor roupa e pronto pra badalar com meus amigos numa animação daquelas, como se nunca tivesse um coração quebrado.

Já fiz um tour no banheiro imaginando um estádio cheio me aclamado. E mais tarde me senti sem voz, sem expectativas pra viver, sem uma canção na cabeça. Eu realmente sou essa instabilidade toda. É isso que quero que você entenda. A vida é instável. Hora feliz, hora triste, hora nada, hora tudo.

E simplesmente não sei terminar esse texto neste momento, mas com certeza há alguns minutos finalizarei. É, sou uma bagunça. Viver é uma bagunça. Mas que desordem boa é essa né?! Mas eu gosto disso tudo, sabe? Se eu fosse um ser estável, o jogo não teria graça. Eu não viajaria pelo meu país das maravilhas. Não me imaginaria realizando sonhos e desejos impossíveis e não seria quem eu sou. Então, viva a instabilidade emocional!

Kaio Lima

"Cabeça fria, coração quente".

Um comentário

Deixe uma resposta