Em meio ao início dos inúmeros fins, tudo isso se resume ao tudo deles, que pode ser o meu, ou o teu, ou o nosso nada, percebo que não existem definições para estes dois seres, que sozinhos se definem, mas juntos não.
Seres programados! Individualistas, que necessitam de sua autêntica ilusão de liberdade, tomaram posse de suas cartas de alforria e próprias escrituras que determinam eles donos de si mesmos. Independentes. Sensatos. Felizes. Completos. Usam de inúmeros sufixos para se definirem. Ela se julga feminista. Moderadamente, apenas orgulhosa. Ele machista convicto. Moderadamente, ou completamente, orgulhoso.


Ela quando não entende-o usa de clichês: “Homens, afs!”. Ele quando se irrita, usa de clichês: “Mulheres!”.


São de mundo diferentes. Ela é uma menina que ainda quer ser mulher. Ele é homem, e ponto, acabou. Ela sonha. Ele vive.


Ele canta. Ela dança. Ele dita o ritmo. Ela acompanha. Ela faz planos mirabolantes. Ele foge de todos eles. Ela é louca. Ele é louco também. Louco por ela. Ou, por elas. Mulheres!


Ele faz piada. Ela não acha graça. Ele dá risada do amor. Ela se define como amor.

Ele grita. Ela se dói e chora, seca as lágrimas, levanta de onde caiu, dá uma jogada de cabelo e rebola. Ela dança conforme a música. Ele olha. Ele gosta. Ele se esquece das horas, das regras impostas. Domingos são dele. Presenteia eles com a presença dela.


Ele só quer curtir. Ela quer ser levada a sério. Ele sorri. Ele também quer. Querer é um algo em comum entre os dois. Talvez o único. Os dois se querem muito! Mas de jeitos diferentes.
Uma vez ele enlouqueceu, jogou tudo para o alto e cedeu. Deu merda claro! Uma vez ela mandou seus pudores para o inferno, nem preciso falar o resultado. Merda é claro!

O mundo deles é só deles, não dá pra dividir. Não com ambos. Mas nunca vi casal mais filha da puta que aquele. Sério mesmo! Tá sempre inventando uma desculpa pra tentar de novo. E cá entre nós, pra mim esse papo todo de diferença e só charme de ambos. É que os dois gostam mesmo é do difícil, do impossível.


Vi ela no sorriso dele. Vi ele no olhar dela mesmo ela estando de óculos escuros. Tem tanto dos dois por aí, que resolvi escrever. E nem sei se os dois irão ler!